segunda-feira, 22 de maio de 2017

Que bom seria

ai que bom seria um empreguinho, ei Nathália, vem aqui escrever, produzir os conteúdos, fazer reportagens, entrevistar o povo, ir aqui e acolá, apurar e dar voz às histórias, o que será que esse povo tem pra dizer? sem preguiça, na chuva ou no sol, mas real oficial, aquele jornalismo bonitão que você aprendeu lá pelos idos da Metodista.
.
.
.
.
.
.

ei Nathália, vem aqui e desenvolve esse roteiro pra gente rodar o vídeo, vamos fazer a produção dos vídeos e dos programas, depois vocês decupa e ajuda a editar. mas tem que achar os personagens, pensar na pauta, agendar o rolê todo, ver se o cinegra tem disponibilidade, juntar com a agenda das fontes, ajustar o áudio e pá.

.
.
.
.
.
.
.
ei Nathália, vem aqui e produz as redes sociais do projeto tal, com tantos posts por dia, mas não esquece de subir o vídeo no youtube, as fotos no insta, facebook, o conteúdo do blog e os textos pro site. corrige aqui rapirinho esse conteúdo, vê se tá com o lead certinho, se tem coerência, se tá passando a passagem.
.
.
.
.
.
.

e ainda ser paga pra isso! e ainda ganhar vr + vt + convênio + férias + clt (enquanto ela ainda existe).

e no decorrer desse texto vejo como mudou o rumo dessa linda profissão que eu tanto gostei.
mas veja só: ninguém lê, ninguém tem mais tempo, ninguém compra jornal ou revista, tem muita gente por aí, tem um povo jovem vindo aí, e eu com 30 anos e uma experiência me sentindo velha e ultrapassada (?) pra um mercado que já nem existe mais.

quinta-feira, 11 de maio de 2017

seje menas

oi, teu coração tá batendo?
tá!
ahhhh senão tivesse eu ai!

oi, a chuva destelhou sua casa?
não, pq?
ahhhh se tivesse destelhado eu ai ai!

nossa pensei em você o dia todo,
mas achei que você tivesse sei lá,
ai nem mandei nada

nossa que vontade de sair com você
mas ai eu penso muito
e ai não mando nada

oi, to num samba aqui perto de você, vem aqui
ahhhhhhhh
eu tive que observar o voo dos passarinhos, senão eu ia


senão
senão é o caralho!

meu deus do céu, que joguinho, que enrolação, que coisa mais chata!
é muito mais fácil assumir que não há interesse do que ficar inventando desculpas, pra não sair como como o culpado (a) ou sei lá o quê.

pior: nego que não sabe que tá afim, mas por via das dúvidas é melhor sempre inventar alguma história, alimentar a esperança do outro pra não perder o posto.
pior ainda: sabe que não quer, mas faz isso só pra massagear o próprio ego.

seje menas

gente decidida
gente que vai ou raxa
gente que não fica em cima do muro
gente que assume
gente transparente

é disso que eu tô falando.


* especialmente para @oliveirasah

domingo, 7 de maio de 2017

fail

o plano era ouvir samba,
mas
tocou
Beatles.

(((( saudade a gente não controla, lembranças também não)))


quinta-feira, 4 de maio de 2017

Não vejo a hora

do Benjamin crescer um pouco mais.
e ai benja, vamos nos ver?
vamos.
será ótimo

tirando a parte que se bem conheço (e conheço muito), ele vai dizer: não, Catarina!
hahhaah

como é possível amar tanto uma pessoa?

te amo benja
quando você crescer eu vou passar essa url pra você ler.

seu fedido!

Real Oficial

mas a grande verdade é que quando rola, rola, né?
quando rola um trampo, rola.
quando rola uma amizade, rola
quando rola uma atração, rola.

rola, rolando, do verbo rolar naturalmente.
sem sofrência, sem entraves, apenas o fluxo natural das coisas.
é apenas maravilhoso quando isso acontece.

você olha e pensa: eita! que orgulho de trabalhar com isso aqui.
nossa! que máximo estar com essa pessoa,
aff! que amiga maravilhosa.

quando rola, rola.
e quando não rola, não rola. Há que se lembrar!
e quando não rola, tudo bem.

mas quando rola, ah! ai é demais. ai é a vida mostrando que pode ser muito boa.

o caminho é o fluxo,

terça-feira, 2 de maio de 2017

será?

será que essa saudade da Inglaterra não vai passar?
será, será?
que até o cheiro da geladeira eu vou continuar lembrando?
e do cheiro do corredor, da ong, cheiro da casa da larry?

é o que eu tenho me perguntado muitas vezes ao dia...

domingo, 30 de abril de 2017

Espelho espelho meu

A terapeuta vez ou outra me diz: você não pode esquecer de olhar pro espelho, Nathália. É verdade, mas eu sou a campeã em quebrar o espelho, sambar em cima dos cacos, juntar tudo e jogar no lixo. Tem gente que diz que antes de me conhecer me achava mala, tem gente que acha que sou forte pra caralho e não sofro, tem gente que acha que faço tudo pra chamar atenção, mas a verdade verdadeira é que nin-guém sabe o que se passa com o outro, não é mesmo?

ai ontem resolvi que ia dançar, que o movimento tem que continuar, que haverá sempre o samba, o santo forte, o forró, o bar do baixo, haverá música e dança sempre. e bora dançar!
foi ótimo! mas mais do que isso, eu recebi dois elogios de que eu estava linda. um foi de uma amiga, não tão muito próxima que disse que meu cabelo encaracolado fica muito mais bonito e que eu danço muito. Morri parte 1.

Depois uma outra amiga disse: Caramba, Nathy vc tá linda! ai ai meu ego pisciano.

Fiquei bebericando e dançando, ai ai a vida é bela, tinha até me esquecido.

Eis que hoje vim aqui no bloguinho rascunhar esse texto e sou recebida por um comentário maravilhoso feminista de uma moça que visita esta página há um certo tempo. Cara, morri 2!
além das belas palavras ela disse que sou um mulherão da porra! morri 3.

pois bem, lembrei da frase da analista, peguei meu espelho, passei superbonder (aos poucos, devagar e sempre) e depois passei vidrex. preguei ele na parede e me olhei, me enxerguei, me animei e me orgulhei do que vi.

Porque às vezes rola uma treta interna, rola crise, rola culpa, rola de um tudo, mas fazer as pazes consigo mesma é a melhor coisa! É se olhar no espelho, saber quem você é, de onde você veio, o que você fez para chegar até aqui e como é que você vai fazer para chegar até lá, mesmo que o lá mude tantas e tantas vezes de rota e de forma. É pra frente, sempre!

E meu espelho tá ali ó, pra não me deixar esquecer!